Que tal comer com a caneta?

23 10 2008

Era só o que faltava! Imagina, entre umas frases escritas e outras, uma garfada! Só deve-se tomar cuidado pra não voar dejetos no papel.

Agora só falta inventarem uma capa de controle-remoto com os talheres acoplados. Aí fecha… pra trabalhar e assistir televisão comendo, só faltava isso!

name of design : din-ink
design by : andrea cingoli + paolo emilio bellisario + cristian cellini + francesca fontana from italy

designer’s own words:
Turn your favourite office tool from your desk in a common cutlery…this is din-ink. A set of pen caps, including a fork-cap, a knife-cap and a spoon-cap, that replaces the normal pen cap during lunch time! All caps are made by annually renewable resources, like natural starch and fibres, to be 100% biodegradable and atoxic, warranting the best alimentary use. Dispensing each set in a compostable packaging the whole set is designed to respect the environment. Now give your office ballpoint pen a good excuse to be gnawed by your teeth: use them for din-ink.





Malabarismo com canetas

1 04 2008

Que o mundo oriental não para de fabricar novas idéias todo mundo sabe. Que as vezes estas novas idéias são na maioria absurdas ninguém também discorda.

Então, a bola da vez é o Japão, que desta vez criou um concurso de malabarismo com canetas, onde um jovem de apenas 16 anos, Ryuki Omura, foi o primeiro campeão japonês nesta modalidade.

A competição reuniu 276 candidatos, inscritos com seus vídeos, e Omura foi selecionado entre os 16 finalistas. “O importante é fazer a combinação de manobras o mais suave possível”, diz Mitsuhiro Nakamata, da Associação Japonesa de Pen Spinning.

O site está em japonês, mas basta clicar nas imagens para assistir aos videos incríveis dos malabaristas: http://ptj2008.pen-spinning.org/

Aqui no Brasil é comum em algumas reuniões, ou em salas de aula, observarmos aquele vizinho de assento ficar manuseando sua caneta ou lapiseira com habilidade, passando-a de um dedo para o outro de forma veloz, muitas vezes causando efeitos interessantes aos nossos olhos.

Mas vendo (no site) o que os nossos amigos orientais chegam a fazer, eu pergunto: será que cabe aqui um “faça você mesmo”? Alguém quer tentar?

Dificil hein?