Exposição “Mestres da Obra”

8 08 2008

Hoje cedo na rádio CBN, na coluna do Gilberto Dimenstein, foi divulgada uma exposição que está acontecendo na região da Santa Cecília, em São Paulo. É uma exposição diferente.

Operários em obras da construção civil têm a oportunidade de mostrar seus talentos não só com a pá e o concreto, mas também com outro tipo de arte. Aquela arte que se admira, que permite inclusão, divulgação, valorização desta sofrida classe.

Entrei no site do Dimenstein e coletei algumas imagens:

A matéria pode ser lida aqui:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/cbn/m_sp_index.shtml





ArquiteturAberta – Quitinete do futuro?

11 04 2008

 

Aposto que todos já ouviram falar de quitinetes. Sim, aqueles “apertamentos” sem parede, sem quarto, sem cozinha, sem banheiro, sem nada, geralmente antiquados. Lembra até aquela musiquinha que dizia “era uma casa, muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada…”.

A impressão que tenho é que hoje em dia elas servem para abrigar imigrantes regionais, para estudantes montarem república ou para algumas familias abrigarem seus velhinhos ao invés de colocá-los em asilos.

A própria definição da wikipedia para quitinete diz:

Quitinete é um apartamento de pequenas proporções. Ele é formado geralmente por apenas um quarto, um banheiro e uma sala/cozinha, sendo todos com um espaço extremamente pequeno. Normalmente, as pessoas que escolhem morar em um quitinete levam em conta seu baixo preço e o pouco tempo de ficar em casa, além do baixo trabalho que se leva com a limpeza doméstica. Logo, é de se esperar que existam mais quitinetes nos centros de grandes metrópoles, como Londres, Nova Iorque e Tóquio, pelo fato dos apartamentos serem mais caros nessas localidades.”

Nas minhas andanças pela web hoje, me deparei com um novo conceito que pode ser aplicado nos espaços do tipo quitinete, que criativamente chamaram de “ArquiteturAberta“.

Sim… ainda ao som da musiquinha de Vinicius de Moraes, privilegiaram o “não tinha teto, não tinha nada”, e “com muito esmero” remodelaram completamente este conceito, criando assim o projeto que foi chamado de Max Haus.

O Max Haus é um projeto moderno, assinado por vários profissionais de renome, que pode ser conferido no site: http://www.maxhaus.com.br/

Viajando um pouco

Nesta onde de mercado da construção civil super aquecido, onde várias pessoas andam comprando imóveis antigos para reformar e revender, fico aqui imaginando se não seria uma boa encontrar um belo de um prédio de quitinetes daqueles bem antigos no centro de São Paulo e, mediante uma bela de uma análise criteriosa, e com um projeto bem arquitetado nas mãos, se não daria para transformar num Max Haus 2, hã? É de se pensar. É o conceito de ArquiteturAberta surtindo efeito.